Últimas Notícias

Homem é preso após ameaça de bomba e tenta levar avião a Soshi...
Esporte que constrói o Brasil.

Memória Olímpica

Éder Jofre

Golpes perfeitos

O primeiro brasileiro a conquistar um cinturão mundial no boxe

Apesar de não ter alcançado resultados expressivos em Jogos Olímpicos, Éder Jofre ainda é considerado o maior pugilista brasileiro de todos os tempos. Apelidado de “Galinho de Ouro”, foi o primeiro atleta do país a conquistar um cinturão mundial e, em seguida, o primeiro da história a faturar títulos em duas categorias diferentes. Também carrega a fama de nunca ter sido derrotado por nocaute.

eder-jofre-texto_450Nascido em uma família de boxeadores no dia 26 de março de 1936, em São Paulo, Éder tinha as habilidades no sangue. Seu pai, o argentino Aristides “Kid” Jofre, também um respeitável pugilista, iniciou o filho no esporte ainda na infância e continuou ajudando nos treinamentos ao longo dos anos seguintes.

Como atleta amador, aos 20 anos, Éder disputou os Jogos Olímpicos de Melbourne, em 1956. Invicto na categoria, o boxeador era uma das grandes esperanças de medalha da delegação brasileira, mas quebrou o nariz durante os treinamentos na Austrália, o que teve como consequência sua derrota nas quartas de final.

No ano seguinte, iniciou uma meteórica carreira como profissional. Em pouco tempo, já era líder do ranking mundial dos pesos-galo (até 53,5 kg). Em 1960, venceu o mexicano Joe Medel por nocaute, no décimo assalto, a luta mais dura de toda a sua carreira. Três meses depois, bateu Eloy Sanchez, outro mexicano, para se sagrar campeão mundial pela Associação Nacional de Boxe, antecessora da Associação Mundial de Boxe (AMB).

Ao longo da bem sucedida carreira, Jofre defendeu sete vezes seu título, todas com vitória por nocaute. Em 1965, o brasileiro perdeu uma controversa luta contra o japonês Masahiko "Fighting" Harada decidida nos pontos. Após ser derrotado também na revanche, Jofre abandonou o boxe por um período. 

Só voltou a competir em 1969, como peso-pena (até 57 kg). Em 1973, com uma vitória por pontos sobre o cubano José Legra, em Brasília, conquistou o cinturão do Conselho Mundial de Boxe (CMB). Ainda continuou competindo por mais três anos e venceu todas as 25 lutas realizadas na nova categoria.

eder-jofre-hall-of-fame-texto_255Anos depois, o pugilista começou a receber o reconhecimento merecido pelos gloriosos feitos. Em 1983, foi eleito pelo CMB o melhor peso-galo do boxe. Em 1992, entrou para o Hall da Fama mundial da modalidade, localizado em Nova York. Até hoje, os boxeadores que defendem com sucesso seus cinturões na categoria galo recebem o troféu Éder Jofre.

Mesmo afastado das grandes competições, Jofre nunca tirou o boxe da sua vida. Isso só mudou aos quase 80 anos, quando foi diagnosticado equivocadamente com "Mal de Alzheimer" e chegou a correr risco de vida. Em 2014, um neurologista descobriu a causa dos problemas de saúde, uma Encefalopatia Traumática Crônica, antigamente descrita como "demência pugilística". Com a mudança da medicação, Jofre voltou a se exercitar e continua praticando um pouco de boxe, sempre com acompanhamento profissional. Para ele, "o treino é revigorante".

 

Texto baseado no livro "Heróis do Esporte Brasileiro", do autor Eduardo Costela (Editora Europa, 2010).

Fotos: Divulgação


Fatal error: Call to a member function getLink() on a non-object in /home/storage/a/b4/92/memoriaolimpicabrasi/public_html/incs/coluna_direita_os_jogos.codigo.php on line 28