Últimas Notícias

Homem é preso após ameaça de bomba e tenta levar avião a Soshi...
Esporte que constrói o Brasil.

MEMÓRIA OLÍMPICA

Gelo e neve não são obstáculos para atletas deficientes

Assim como os esportes de verão, os esportes de inverno para atletas com deficiência surgiram depois da Segunda Guerra Mundial, para fazer com que soldados (e civis) feridos voltassem à praticar exercícios físicos como esquiar. Inovações no design dos equipamentos começaram a surgir, como o “three-track” esqui com uso de muletas - essa inovação, aliás, gerou um curso e um campeonato austríaco dessa modalidade de esqui.

 

Em 1970, começaram as competições de esqui cross para deficientes e, em 1974, o primeiro campeonato mundial, ocorrido na França. Nesse mundial também havia provas de esqui alpino e nórdico para atletas amputados e com deficiências visuais. Atualmente, atletas de deficiências diversas competem em suas próprias categorias.

 

Os primeiros Jogos Paralímpicos de Inverno aconteceram em Örnsköldsvik, na Suécia, em 1976 e reuniram mais de 150 atletas de 17 países. Essa edição incluía apenas amputados e deficientes visuais. Já a segunda edição, em 1980 na Noruega, abriu espaço também para atletas com lesões na coluna.

 

Os Jogos de 1984 e de 1988 aconteceram em Innsbruck, na Áustria. Devido a problemas organizacionais, a cidade de Calgary, no Canadá, não pôde realizar as Paraolimpíadas de Inverno e, por isso, Innsbruck foi novamente a cidade-sede. Essas edições dos Jogos permitiram competidores com paralisia cerebral e adicionou a categoria “les autres”, ou seja, atletas com outras deficiências que não se encaixavam nas categorias já estabelecidas, como portadores de nanismo, esclerose múltipla e deformidades congênitas.

 

Em 1988 também houve novidades nos esportes: foram introduzidos eventos de esqui sentado nas modalidades de esqui alpino e esqui nórdico. Já a edição de 1998, no Japão, acrescentou atletas com deficiência intelectual. Os Jogos do Japão, aliás, foram os primeiros Jogos Paralímpicos de Inverno a acontecerem fora da Europa.

 

Torino, Itália, recebeu a edição de 2006 das Paraolimpíadas de Inverno. Este ano foi a estreia do curling em cadeira de rodas e a primeira vez que México e Mongólia participaram dos Jogos, aumentando o número de países participantes para 38.

 

A edição mais recente dos Jogos Paralímpicos de Inverno aconteceu em Vancouver, Canadá, reunindo 502 atletas de 44 países. Essa 10ª edição adicionou a modalidade “combinada” do esqui alpino - e foi considerada a melhor edição dos Jogos Paralímpicos de Inverno pelo então presidente do IPC, Sir Philip Craven.

 

A próxima edição das Paraolimpíadas de Inverno acontecerão em Sochi, na Rússia, em 2014. A cidade ganhou o direito de sediar a competição na 119ª sessão do COI, na Guatemala em de julho de 2007, deixando para trás Salzburg (Áustria) e Pyeong Chang (Coreia). O objetivo da candidatura era “reforçar e promover o Movimento Paralímpico, proporcionando excelentes condições de competição aos atletas, garantindo elevado nível de acessibilidade e maximizando a cobertura da imprensa”.

O Brasil nunca participou dos Jogos Paralímpicos de Inverno.

 

Fonte: IPC (http://www.paralympic.org)

Texto: Rafaella Gil e Fabiana Bentes

 


Fatal error: Call to a member function getLink() on a non-object in /home/storage/a/b4/92/memoriaolimpicabrasi/public_html/incs/coluna_direita_os_jogos.codigo.php on line 28